domingo, 12 de janeiro de 2020

IPCA de 2019 e matéria sobre a alta da carne no Rio Grande Record

Oi, gente!

No dia 10 de janeiro o IBGE divulgou o resultado o IPCA de dezembro, que fechou em 1,15%. Desde 2002 o resultado não era tão elevado para o mesmo mês. No ano de 2019 o IPCA fechou com alta de 4,31%.

O índice de preços fechou o ano acima do centro da meta de inflação, que é de 4,25%, mas ainda dentro da possível variação esperada, que é de 1,5% para mais ou para menos.

Segundo o IBGE, o aumento dos preços foi influenciado pelo encarecimento das carnes, dos combustíveis e dos jogos de azar, frequentes no final do ano;

O grande vilão foi a carne, que teve um aumento de 32,40% no ano, sendo que 27,61% foi só no último bimestre.




O aumento do preço da carne se deve muito à demanda do mercado chinês, que sofreu com uma queda brusca (em torno de 40%) na produção da carne suína, muito consumida por lá (surto de gripe suína na China); e à alta do dólar, que deixa as vendas para o exterior mais atrativas do que para o mercado interno.

No caso da China, houve a necessidade de buscar outros mercados para abastecer a demanda e até outros tipos de carnes. Houve também impacto no índice de preços do frango e dos pescados, que também apresentaram aumento, tanto pelo consumo externo, quanto pelo efeito substituição, pois com o aumento da carne bovina, o consumidor interno se viu obrigado a buscar um substituto para a proteína nas refeições. O grupo ‘Alimentos e Bebidas’ e o grupo de alimentação fora do domicílio também demostrou aumento no índice de refeição e de lanches, como reação em cadeia.

Nos próximos meses o preço da carne deve voltar a se normalizar, visto que este foi um choque momentâneo com a demanda chinesa. A oferta e a demanda interna também deve se equilibrar. O boi obedece a sazonalidade da produção de capim, portanto, há valorização do boi gordo nos últimos meses do ano, com a influência do consumo e, também, por causa da redução da oferta motivada pela entressafra (período entre junho e novembro que ocorre a falta de capim e, consequentemente, diminui a disponibilidade de animais no mercado. Já na safra, entre dezembro e maio, a oferta de animais para abate, aumenta.)

Sem a alta dos preços da proteína animal, o IPCA teria encerrado 2019 em 3,54%, abaixo da meta.

No índice de dezembro, os planos de saúde também foram um forte fator de pressionamento dos preços, com a autorização de reajuste da ANS, com alta de 8,24%; o aumento no preço das passagens aéreas, em 15,62%; e os combustíveis, aumento de 3,57%.

Em 2018, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo fechou em 3,75%.

O IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), medido mensalmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), foi criado com o objetivo de oferecer a variação dos preços no comércio para o público final. O IPCA é considerado o índice oficial de inflação do país.

Confira a minha participação na matéria realizada pelo Rio Grande Record, que foi ao ar no dia 10 de janeiro de 2020, a partir das 19h.



Ou assista aqui (gravação caseira):


Beijos!!!

Proxima  → Página inicial

0 comentários: